sexta-feira, 2 de agosto de 2013

REFLETINDO COM CLARICE

Refletindo com Clarice

Luciana Netto 

Sou clariciana convicta, não há nada mais gostoso do que saborear os textos de Clarice Lispector , imagine poder vivenciá-los e crescer com isso. Em alguns momentos chego a confundir suas palavras com meus pensamentos, quando leio :“Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento" assino embaixo, nunca tive essa preocupação de entender o que se passa, a essência metafísica preenche toda a minha curiosidade.Basta entender que a vida é dom mais precioso que Deus nos deu. 
E é nessa vontade de viver que às vezes me pego contemplando o inusitado, sou mesmo assim “ Gosto de um modo carinhoso do inacabado, do malfeito, daquilo que desajeitadamente tenta um pequeno voo e cai sem graça no chão." Isso traz à tona a efemeridade do momento e me faz valorizar cada segundo da minha existência como se fosse o último. 
“Não suporto meios termos. Por isso, não me doo pela metade. Não sou sua meio amiga nem seu quase amor. Ou sou tudo ou sou nada” A hipocrisia não tem vez na minha vida, isso, apavora algumas pessoas que por vezes distanciam-se de mim como se eu tivesse uma doença contagiosa. Tudo porque preferem viver na estagnação hipócrita da conveniência a tentar um novo voo mesmo que desajeitado. Eu falo pelos olhos , a minha essência transborda pelo meu olhar, o “meio termo” para mim seria uma prisão eterna. 
Para tentar um novo voo é preciso coragem e isso não me falta. Aliás, “tenho medos bobos e coragens absurdas” , morro de medo do escuro quando falta energia, mas sou capaz de mergulhar no desconhecido do mais profundo oceano em busca daquilo que quero, se souber que lá está. Basta ter a certeza e tchibum...mergulho. “Dizem que a vida é para quem sabe viver, mas ninguém nasce pronto. A vida é para quem é corajoso o suficiente para se arriscar e humilde o bastante para aprender.” Isso é fato.
Sou apaixonada pelas letras, carinhosa e atenciosa, por isso, “Sorrisos e abraços espontâneos me emocionam. Palavras até me conquistam temporariamente. Mas atitudes me ganham para sempre.”
Nunca tive medo de lutar, de encarar a realidade, mas tenho a humildade de retroceder "Saber desistir. Abandonar ou não abandonar — esta é muitas das vezes a questão para um jogador. A arte de abandonar não é ensinada a ninguém. E está longe de ser rara a situação angustiosa em que devo decidir se há algum sentido em prosseguir jogando. Serei capaz de abandonar nobremente? Ou sou daqueles que prosseguem teimosamente esperando que aconteça alguma coisa?" eu prefiro abandonar nobremente, erguer a cabeça e seguir em frente, porque é assim que vou em busca do quero, e “Sabe o que eu quero de verdade? Jamais perder a sensibilidade, mesmo que às vezes ela arranhe um pouco a alma.Porque sem ela não poderia sentir a mim mesma..”. sou assim “Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra sempre.”
É isso!


Obs.: todos os trechos entre aspas são fragmentos de livros escritos por Clarice Lispector.