sábado, 3 de agosto de 2013

O PODER DA PALAVRA


O PODER DA PALAVRA
 
As palavras usadas afetam a maneira de pensar e sentir, e a maneira de como pensamos e nos sentimos afeta as palavras que usamos. Cientistas da Universidade de Rochester afirmam que nosso cérebro automaticamente considera muitas palavras possíveis, e seus significados, antes mesmo de terminar de ouvir uma palavra até o fim. Pensando nos tempos que se aproximam, sinto o momento para renovamos a nossa esperança em nossos projetos de vida, quero relembrar uma das formas mais acessíveis de desenvolvimento do poder pessoal, que é aprender a usar a palavra como veículo de poder. Na nossa cultura podemos chamá-la de "afirmação verbal". Medite nisso para que possa fazer os seus projetos com firmeza e decretar os seus sonhos.

Muitas tradições antigas reforçam o conceito de que palavras são enraizadas na respiração e respiração é vida. Dizer uma palavra, portanto, pode carregar o poder da vida. Muitos mestres iluminados que já passaram por esta Terra, usavam sua palavra para curar e faziam seus decretos, usavam suas palavras de poder declamadas ou cantadas .

"Palavras faladas, repetidamente, com firmeza e convicção têm grande poder quando nós combinamos as palavras com visualizações, emoções e vontade, naturalmente canalizamos grande poder pessoal, motivacional. Falar consigo mesmo também pode ser bem efetivo, principalmente para pessoas que tem dificuldade de visualização, ou que estão com a imaginação bloqueada. Podemos criar realidades verbalmente através de palavras. Podemos criar nossas próprias afirmações e repetí-las muitas vezes ao dia. As palavras podem ser usadas para afirmar e criar coisas que você deseja para : melhorar a sua vida, atrair amor e amigos, livrar-se de maus hábitos, abrir as portas para a abundância, sucesso, saúde e felicidade. A chave é declarar essas afirmações confidencialmente, freqüentemente. Também é importante declarar como uma realidade já presente. Você pode dizer : Eu tenho abundância em minha vida agora, ao invés de : Eu não sou mais pobre.

Seja positivo(a), nosso subconsciente responde mais as declarações positivas. Enfatize a necessidade de tempo para a realidade começar a se manifestar e não deixe-a num futuro indefinido.

Ajuda muito se você, além de falar em voz alta e freqüentemente, usar a visualização. Mantenha repetindo suas palavras de várias formas ao longo dos dias, lembre-se que muitas vezes estamos lidando com hábitos enraizados por muitos anos. Cante as afirmações no banheiro, fale em voz alta no carro, sussurre-a quando vai dormir, desperte com elas sendo as primeiras palavras do dia. Continue repetindo as palavras de poder , mesmo depois da nova realidade começar a ficar evidente em sua vida.

Quando se repete as palavras poderosas com freqüência,( colocá-la numa canção ou numa música já conhecida) elas fazem efeito em nosso subconsciente. Você também pode escrever suas palavras positivas e afixar em locais visíveis para se lembrar de declarar. Uma coisa muito importante que devemos aprender ao usar as palavra poderosas é utilizar somente a verdade todo o tempo pois suas palavras são seus desejos. Se suas palavras são falsas, você poderá ter problemas ao manifestar, realmente, aquilo que sua voz fala.

No geral a conversa do adulto é estruturada por controles e para garantir que os outros possam entender corretamente. Nós pecisamos deixar fora nossas cabeças e abandonar nossa insistência em usar palavras com as lineares limitações características da comunicação adulta.

A comunicação que se faz marcar pela integridade sempre leva em consideração o tempo e o contexto, antes de liberar o conteúdo. Muitas vêzes sabemos exatamente o que queremos dizer, mas não levamos em consideração se ´e o devido tempo ou o devido lugar para expressar o conteúdo da comunicação. A Comunicação direta - declarar o que vemos, sem culpar nem julgar - significa que devemos considerar o alinhamento entrre a escolha das palavras apropriadas, o tom da voz e a postura corporal.

Aprenda a usar suas palavras com bastante consideração e respeito para você mesmo e para os outros. As mais poderosas de todas as palavras, são todas aquelas mais gentis. A vida é nutrida por gentileza, não por raiva."

Sejamos pois, vigilantes das palavras que emitimos, compreendendo que, quando a palavra vale menos do que o silêncio, é preferível calar-se. E se cada palavra emitida é uma energia, quanto menos falarmos desnecessariamente, mais energia, mais poder, teremos ao pronunciá-la, compreendendo a sabedoria que também pode vir com o silêncio.


A PALAVRA

A palavra, esse dom celeste que Deus deu ao homem e recusou a todos os outros animais, é a mais sublime expressão da natureza; ela revela o poder do Criador, e reflete toda a grandeza de sua obra divina.

Incorpórea como o espírito que a anima, rápida como a eletricidade, brilhante como a luz, colorida como o prisma solar, comunica-se ao nosso pensamento, apodera-se dele instantaneamente, e o esclarece com os raios da inteligência que leva no seu seio. 

 
José de Alencar

Mensageira invisível da idéeia, iris celeste do nosso espírito, ela agita as suas asas douradas, murmura ao nosso ouvido docemente, brinca ligeira e travessa na imaginação, embala-nos em sonhos fagueiros, ou nas suaves recordações do passado.

Reveste todas as formas, reproduz todas as variações e nuanças do pensamento, percorre todas as notas dessa gama sublime do coração humano, desde o sorriso até a lágrima, desde o suspiro até o soluço, desde o gemido até o grito rouco e agonizante.

Às vezes é o buril do estatuário, que recorta as formas graciosas de uma criação poética, ou de uma cópia fiel da natureza: aos retoques desse cinzel delicado, a idéia se anima, toma um corpo, e modela-se como o bronze ou como a cera.

Outras vezes é o pincel inspirado do pintor, que faz surgir de repente do nosso espírito, como de uma tela branca e intacta, um quadro magnífico, desenhado com essa correção de linhas e esse brilho de colorido que caracterizam os mestres.

Muitas vezes também é a nota solta de um hino, que ressoa docemente, que vibra no ar, e vai perder-se além, no espaço, ou vem afagar-nos brandamente o ouvido, como o eco de uma música em distância.

A ciência tem nela o seu escalpelo com que faz a autópsia do erro, descarna-o dos sofismas que o ocultam, e mostra-o claramente àqueles que, iludidos por falsas aparências, julgam ver nele a verdade.

O sentimento faz dela a chave dourada que abre o coração às suaves emoções do prazer, como o raio do sol que desata o botão de uma rosa cheia de viço e fragrância.

A justiça deu-a à inocência como a sua arma de defesa, arma poderosa e irresistível, que tantas vezes tem suspendido o cutelo do algoz, e quebrado as pesadas cadeias de ferro de uma masmorra.

Para o tribuno é uma alavanca gigantesca com que desloca as imensas moles do povo, e atira-as de encontro às colunas do edifício social, que estremece, vacila e se abate ao peso dessas massas impelidas por um poder quase sobre-humano.

Eis o que é a palavra, meu amigo; simples e delicada flor do sentimento, nota palpitante do coração, ela pode elevar-se até o fastígio da grandeza humana, e impor leis ao mundo do alto desse trono que tem por degrau o coração e por cúpula a inteligência.

Assim, pois, todo o homem, orador, escritor, ou poeta, todo o homem que usa da palavra, não como um meio de comunicar as suas idéias, mas como um instrumento de trabalho. todo aquele que fala ou escreve, não por uma necessidade da vida, mas sim

para cumprir uma alta missão social. todo aquele que faz da linguagem não um prazer, mas uma bela e nobre profissão, deve estudar e conhecer a fundo a força e os recursos desse elemento de sua atividade.



A palavra tem uma arte e uma ciência: como ciência, ela exprime o pensamento com toda a sua fidelidade e singeleza; como arte, reveste a idéia de todos os relevos, de todas as graças, e de todas as formas necessárias para fascinar o espírito.



O mestre, o magistrado, o padre, o historiador, no exercício do seu respeitável sacerdócio da inteligência, da justiça, da religião e da humanidade, devem fazer da palavra uma ciência; mas o poeta e o orador devem ser artistas, e estudar no vocabulário

humano todos os seus segredos mais íntimos, como o músico que estuda as mais ligeiras vibrações das cordas de seu instrumento, como o pintor que estuda todos os efeitos da luz nos claros e escuros.


Léo Artese

Fonte: http://www.leoartese.com.br/artigos/74-o-poder-da-palavra