sábado, 27 de julho de 2013

AQUÁRIO - POEMA DE MARÍLIA GARCIA (Antologia - 20 poemas para o seu walkman)



Aquário

tem o pânico das algas marinhas
quando acorda de frente para o estádio.
o quarto é um aquário
com setas submersas de
sol e seu corpo filtrado
pela luz do insulfilm
tem o contorno
de um magnetismo
inverso. 
não que importassem as horas. 
apenas não sabia como ali chegara. 
não sabia quanto tempo tinha passado 
(um cão lambia o pé, a mesma imagem
congelada)
e na saída: “vai me responder de novo com
uma pergunta?” “mas a configuração é
diferente.” e ela disse, não lembro o que ela disse.
o estádio é um buraco no tempo e de cima
suas guelras latejam os ecos da última partida.
você se encolhe atrás do vidro
redondo, luta para vencer
as pequenas pedras, como num oceano
violeta genciana

Fonte: revistazcultural.pacc.ufrj.br